sexta-feira, 18 de junho de 2010

Capitulo 20

Sónia on
Nunca pensei que isto pudesse acontecer… A Inês salvou-me, mas agora está descontrolada! Não consegue deixar de transmitir estas energias… As SUAS energias!
-Mana pára! Estou óptima!
Nada, não me ouve! Se não morri há pouco, morro agora!
-Sónia és a única que a pode parar!
-Mas como? Ela não me ouve…
-Muito menos a nós!
-Filha olha para a mãe! Olha para mim… - E assim o fiz – Só tu tens o poder de controlar a tua irmã… De a ajudar! Fá-lo e ficaram bem!
Será que vai dar certo? Acho que não, mas se tentar na perco nada!
-Inês Montez, olha para mim nem que esta seja a nossa última vez juntas! Preciso de ti… Preciso que sejas a minha maninha, não este monstro que tem os seus poderes máximos em mim! Miúda tens esses poderes, tambem os podes parar! Por favor, faz isso por mim! Faz isso por todos nós! – Era a minha última tentativa, e parece que foi falhada!
Sónia off
Inês on
O que é que estou a fazer? Oh my god, só podem estar a brincar!?
Acabei de trazer a minha irmã á vida, e agora estou quase a matar-me a mim e a ela! Não pode ser…
-Inês por favor! Pára… Já estou bem! Calma… - Mana?! Tenho de parar… Tenho de parar… Mas não consigo! - … Tu consegues! – Acho que ela tem um poder novo! Fazer-me ver a realidade!
Inês off
Depois de Inês perceber o que estava a acontecer, acordou de novo para a vida! Parou com os seus poderes, e tudo ficou mais calmo…
-Sónia estás bem? – Correram todos para perto delas. Inês afastava-se aos poucos… Com as mãos na cabeça, e muito mas mesmo muito cansada!
-Como é que isto pode ter acontecido? Tenho de sair daqui! – E assim foi, saiu para a rua. Onde correu para o bosque!
-Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh! – Gritou ela quando chegou á clareira. – Como fui eu fazer aquilo á minha miúda!?
Inês estava desorientada, não conseguia pensar em mais nada a não ser no que tinha quase feito á irmã! Podia tê-la matado!
Sónia on
-Eu estou bem! – Dizia mais de mil vezes.
-Mas estavas muito fraca, de repente…
-Estou bem… Já chega, a minha irmã apenas me salvou!
-Mas perdeu o controlo!
-Podiam ter morrido as duas! – Dizia a minha mãe que estava ao meu lado.
-Ela não teve culpa… Só… Esperem lá! Inês?! – Ela não estava no meu quarto. Não estava onde á pouco estava.
-Ela deve ter ido beber alguma coisa!
-Não, ela… Ela foi-se embora…
-Claro que não… Ela já volta!
-Nós vamos até lá a baixo!
-Faz os trabalhos de casa… - Disse desta vez o meu pai. E assim saíram. Bem, basta-me acreditar que ela vai voltar, dentro de pouco tempo! Fui até a minha mochila, e tirei de lá uns cadernos e uns livros, mas nada… Não me conseguia concentrar! Como posso eu pensar na escola quando não sei da minha irmã, e a nossa ligação está interrompida?
Sónia off
Zac on
Bem, a noite passada foi mesmo boa! Não é por nada, mas a Van sabe como me fazer feliz!
Estou acordado a olhar para ela ainda a dormir, como é possível já não sentir o mesmo que sentia por ela quando a conheci?
Ela é uma rapariga 5 estrelas, mas não posso ficar com ela apenas por favor, por… Pena… Enquanto na minha mente só aparece outra miúda!
-Bom dia Zac! – Ouvi eu, enquanto pensava mais uma vez em como iria dizer-lhe depois de uma noite como a nossa, que já não sentia nada por ela, a não ser uma bonita amizade!
-Bom dia Van…
-Adorei a nossa noite… Há muito tempo que não me sentia assim, tão… Amada! – A verdade é que durante toda a noite não via a Van ao meu lado, mas sim a outra miúda. A da pulseira…
-Pois… Bem… Vanessa é mesmo bom teres-te sentido assim…É que… Temos de falar! – Notei pela sua expressão que ficara um pouco confusa e nervosa.
-Sim, tambem concordo!
Levantei-me, e fiquei de frente para ela.
Zac off
Van on
É mesmo muito bom olhar para este corpo, só em boxers, que mesmo esta noite foi só MEU! E que, na verdade, ainda me faz sorrir e quere-lo só para mim. Sei que vai dizer que não sente mais nada a não ser uma boa amizade por mim, e a verdade é que para mim é igual!
-Vanessa desculpa dizer-te isto, assim do nada… Mas…
-Sim, podemos acabar!
-Hãn? – Oh boa, não devia ser isto que ele ia dizer, agora já fui tarde!
-Não era isso que querias falar?
-Sim… Mas… Desculpa fazer-te sofrer… Não consigo andar contigo enquanto penso noutra miúda! – Ele é tão querido…
-Eu tenho percebido que a nossa relação já não é como antes… Andas distante, e sempre que estamos juntos é mais por rotina!
-Isso quer dizer que…
-Por mim continuamos bons amigos! E se quiseres ajuda, podes sempre contar comigo! – Disse eu oferecendo-me para o ajudar a conquistar a sua amada!
-Acho que não… Por enquanto quero pensar um pouco…
-Claro, tens razão… Mas podes sempre contar comigo! – Levantei-me e enrolei-me no lençol, fui até ele e dei-lhe um leve beijo na bochecha – Amigos para sempre! – Disse eu, depois sai em direcção á sua casa de banho, e tomei um duche e arranjei-me!
Quando sai, ele já não estava lá, provavelmente foi ter com a família. Estávamos na casa dele, tínhamos passado cá a noite. Provavelmente a nossa última noite com namorados… Mas sabem uma coisa? É bom sentir-me assim, livre para um novo amor!
Van off
Quando Vanessa chegou á cozinha, já Zac estava á mesa.
-Os meus pais tiveram de sair mais cedo… Têm muito trabalho na editora!
-Hummm… Ok… Então e o que fizeste para o nosso pequeno-almoço? – Disse sentando-se á frente dele e dando uma vista de olhos á mesa…
-Bem, um pouco de tudo! Tens fruta, pão, doce, leite… Sumo… Essas coisas! Não sabia o que querias por isso, está um pouco de cada coisa! – Disse ele a rir. A verdade é que nunca tinha sido bom a fazer o pequeno-almoço, estava habituado a ser a mãe ou a empregada a faze-lo por ele. (Menino rico e basta!)
-Nunca soubeste fazer um comer de jeito, nem mesmo agora aprendes!
Riram os dois, e continuaram a comer.
-Então que fazer no resto do dia?
-Não sei estava a pensar em ir apanhar umas ondas… E tu?
-Bem, há muito tempo que não vou ao meu antigo clube de ginástica… Talvez passe por lá! Mas antes vou ter com a minha mãe!
-Queres que vá contigo?
-Zac, acabámos lembras-te? Não preciso que tomes mais conta de mim fofinho! – Disse ela dando-lhe uma festa na cara.
-Desculpa, é a força do hábito!

**************************************
Sónia tinha-se deixado dormir enquanto tentava estudar.
-A Inês já deveria ter voltado! – Diziam os pais delas.
-Ela já sabe o que faz, e não é uma simples miúda… Sabem bem que se sabe defender!
-Pois, mas e…
-Isabella, ela vai voltar… Calma!
***********************************
Entretanto na floresta, Inês andava a correr pelos cruzamentos que por ali havia, quando por acaso, tropeça numa raiz e acaba por cair… O chão estava como sempre húmido da última chuvada da noite anterior… Haviam ervas e folhas por todo o lado, bichinhos rastejavam entre elas… Mas Inês ficou sem força, não se conseguia levantar! “Rastejou” até uma árvore gigante que ali havia, e deixou-se estar debaixo dela. (Imaginem a parte do Lua Nova)
************************************
Assim se passou a noite… E Inês ainda não voltara para casa.
Era já dia de colégio… Os alunos voltavam e juntavam-se aos que tinham ficado lá no fim-de-semana, reviam os amigos… E, o mais importante… Repararam que Vanessa estava diferente, parecia mais livre! Já Zac, ainda não tinha chegado!
*****************************************
No inicio do proximo mes, prometo, que volto a comentar os vossos blogs!
Sorry

terça-feira, 1 de junho de 2010

Capitulo 19

Quando entrei no átrio, estava tudo como me lembrava desde quando era pequena e descobri aquele espaço ideal para brincar às escondidas com a minha irmã mais velha! Bem, igual, igual não estava, agora tinha grandes cenas para congelar, e outras coisas para vampiros. Mas nada de caixões! Não somos desses…
-Chegaram! – Disse Esme olhando para a minha direcção. Olhei para trás e a Inês vinha atrás de mim!
-Parece que sim!
-Pronta?
-Sim… - Disse meio a sorrir… - Não posso fugir!
-Vamos! – Formaram um círculo no meio do átrio, e eu fiquei ao lado de Inês. – Quem o faz?
-Carlisle, és o mais velho, sabes melhor o que fazer!
-Como quiserem! – Parece que neste momento não tenho voto!
Alice afastou-se e foi buscar alguma coisa, era uma garrafa pequena que colocou frente á minha cara.
-Sentes alguma coisa? – Abanei simplesmente a cabeça, em sinal negativo! Não estava a perceber nada! Foi então que abriu a garrafa e um cheiro intenso saiu de lá. Senti os meus olhos a ficarem vermelhos, como naquela vez do beijo com o Efron!
-Está mesmo pronta!
Carlisle aproximou-se de mim, lentamente, e agora esta a ficar de novo com um instinto animal á solta dentro de mim!
-Calma…
-Estou calma…
-Vou aproximar-me de ti, e vou morder-te um pouco no pescoço! Vai ser pouco, porque é a primeira face da transformação! Posso?
-Claro…
E assim o fez, aproximou-se de mim sobre o olhar de todos os presentes e meteu-me uma mão no cabelo, e lentamente puxou-me para a sua boca. No meu pescoço sentia as minhas veias a saírem, sentia o meu coração a bombear com toda a força possível e imaginaria…
Foi então que aquela sensação fez-se sentir! As suas presas estavam a trespassar as minhas veias! E sugavam o meu sangue… Comecei a sentir-me zonza… E quando estava prestes a desmaiar ele agarrou-me pela cintura:
-Estás bem? Que sentes?
-Estou a arder… - A verdade é que parecia que tudo estava em fogo em mim. Comecei a ter recordações da minha vida, desde criança até aos momentos passados com os meus amigos do momento! E a ultima imagem que me lembro de ver foi a do Zac a sorrir e da Ash a abraçar-me!
Sónia off
-Ela apagou-se mesmo! – Disse Emmett ao olhar para a miúda que estava estendida sobre os braços fortes de Carlisle parecendo que estava adormecida, ou mesmo morta!
-Não meti mais veneno do que deveria… Estava a fazer tudo como aconteceu convosco!
-Vocês não percebem nada… Ela pode parecer forte, mas por dentro continua a ser a miúda fraca que era! – Disse Inês ao ir agarrar na irmã – Temos de a deitar! Ajudem-me!
E assim o fizeram, levaram-na para o quarto dela, onde Inês se sentou ao seu lado na cama.
-Eu fico com ela! Podem ir… - Insistiu Inês para as deixarem sozinhas.
-Não sei se é boa ideia!
-Eu ainda sei tomar conta da minha irmã mais nova!
-Ok, mas assim que ela acordar chama-nos!
-Claro… Vão descansados!
Todos saíram do quarto deixando apenas as manas juntas.
-Não sei se foi boa ideia deixa-las juntas… E se a Inês pensa em fazer alguma coisa que não deve? – Pergunta Isabella, a mãe das manas.
-Sabes muito bem, que essa “Coisa” é um poder que a nossa filha tem! O que significa que tem de ser usado…
-Mas sabes bem como ela fica depois de o usar… Viste o que aconteceu na ultima e na primeira vez que o vez!
-Sim, mas… Se não o usar nunca vai ficar a saber como controlar os poderes!

*********************************
No quarto de Sónia…
-Mana, acorda… Não me vais fazer usar aquela cena estúpida de novo, pois não? – Mas nem resposta. Inês estava a começar a desesperar, não queria usar o seu poder mais forte, mas se continuasse assim, não demoraria muito até o estar a usar. – Por favor… Peço-te uma única fez para não me fazeres usar isto! Não sejas mariquinhas… Sabes que não posso usar muito isto, sabes como fico sempre depois de o usar… Por favor! Acorda… Deixa-me usar o meu poder máximo só quando estiveres mesmo mesmo a ficar na última parte da tua nova vida! – Sónia não se mexia, estava fechada no seu mundo. Como se fosse naquele momento a única pessoa á face da terra, parecia livre e sensível! Inês não o queria fazer, estava a guarda as suas forças, mas teve de ser – Ok, aqui vai! – Deu a mão á irmã e concentrou as suas energias nela. Fechou os olhos e conseguiu entrar na sua mente. Como ela previa, estava numa face já muito avançada. Estava já com os anjinhos! – Vamos mana, sê forte! – Foi então que as suas forças começaram a dar frutos. Sónia começou a mexer-se, a sua mente ainda estava muito fraca, assim como o seu coração, mas já se notava alguma vida. – Vamos, só mais um pouco! – Agora estava a usar todas as energias possíveis e imaginarias que poderia ter.
-Mana… - Ouviu muito baixinho, num som muito fraco. Abriu os olhos e Sónia estava a sorrir. - … Não faças isso, já estou bem! Podes parar!
-Só mais um pouco, consigo atingir o meu máximo!
-Mas este é o teu máximo… Já chega… Vamos descansar as duas!
-Não… Só mais um pouco! – Estava a acontecer o que a mãe tanto temia. Inês não se estava a conseguir controlar apesar de aquele ser o seu poder máximo. As energias estavam já no limite. Sónia estava “completamente” viva, não precisava de mais nada. Se Inês desse um pouco mais de si, não morreria só ela, mas tambem a Sónia acabava por morrer. (Como é que se diz? Se não morre do mal, morre da cura?!)
-Inês chega! Vais acabar por levar-nos às duas! – Agora era Inês que não ouvia a irmã, nem respondia. – INÊS!
-Era a voz da Sónia?
-Sim… Acho melhor irmos ver o que se passa!
E assim foram. Quando entraram no quarto as manas estavam envolvidas numa “barreira” de forças, com “neblina” á volta.
-Era disto que tinha medo, disto dela ainda não saber controlar-se!
-Isabella agora não há tempo para isto… - Thomas e Carlisle tentaram aproximar-se, mas a barreira não os deixava fazer.
-Está muito forte! Não conseguimos Pará-la!
-Não pensem que vou perder as minhas filhas!